Categorias Blog Contato
6ncOLXi3xzRdGORGOfLKIBsmAqGCkdUmxOcanxez
Entrar Esqueceu sua Senha?
Cadastrar
Voltar Cadastrar
Biodegradável
Compostável
Reciclável
Categorias Blog Contato
Categorias
Compostável
Biodegradável
Reciclável
Compostável
Kit amostras Bandejas Copos Canudos Mexedores de bebidas Pratos Talheres
Biodegradável
Kit amostras Bandejas Copos Embalagens Mexedores de bebidas Pratos Tigelas Talheres
Reciclável
Ecobags

A eeCoo é uma empresa que nasceu para oferecer ao mercado consumidor brasileiro produtos e serviços que trazem benefícios ao nosso dia a dia, com respeito ao ambiente em que vivemos. Com sede na cidade de Goiânia, distribui seus produtos e oferece seus serviços para todo o Brasil.

A eeCoo criou uma linha de produtos de fácil re-absorção pelo meio-ambiente, produzidos a partir de fontes renováveis. Clique nos produtos abaixo para comprar e em caso de diferentes quantidades, nos mande uma mensagem via nosso formulário de contato

Hoje encontramos consumidores mais conscientes de seus atos e hábitos de consumo e justamente por isso, eles são um agente transformador na sociedade. Consumidores conscientes colaboram para que as empresas cada vez mais adotem ações que minimizem seu impacto no meio ambiente. Consequentemente elas estão se adequando e como resultado temos empresas mais comprometidas com a sustentabilidade. Grande ou pequena as empresas enfrentam grandes desafios no seu dia a dia. No entanto, crescer e ocupar seu lugar no mercado não é tarefa fácil, mas acreditamos que as que seguirem o tripé da sustentabilidade terão mais chances de se fortalecerem. Mas o que é o tripé da sustentabilidade?


É a maior integração das três dimensões do desenvolvimento sustentável: social, ambiental e econômico. 

Social: Capital Humano, promover a qualidade de vida dentro e fora das organizações;

Ambiental: Capital Natural, ações que irão minimizar os impactos causados pela atividade da empresa;

Econômico: Lucros em equilíbrio com os recursos naturais utilizados pela empresa e junto com a qualidade de vida.

 Para o empresário norte-americano Jonh Elkington, fundador da organização não governamental (ONG) chamada Sustainability,

“é preciso que os negócios sejam feitos levando-se em consideração o equilíbrio entre os fatores ambientais, sociais e econômicos, e os resultados das empresas precisam refletir esse equilíbrio”.

Quando se há uma gestão adequada desses três pilares a empresa passa mais confiança e credibilidade da marca perante seus consumidores.


Fazer uma gestão ambiental, além de minimizar os impactos causados pelo seu negócio devido ao uso racional dos recursos naturais podendo ser água, energia, resíduos, colabora economicamente para as finanças da empresa e também cria valor social, pois envolve todos os colaboradores e consequentemente aumenta sua lucratividade. Alguns ações simples de se aplicar ao negócio: 

Separação e destinação correta dos resíduos;

Economizar energia. Substituir as lâmpadas pelas de LED. Colocar Placas fotovoltaicas.

Quando há real necessidade de impressão, imprima frente e verso. Folhas que iriam para o lixo, usem-as como rascunho, economize papel;

Dê preferência para produtos de sua região ou comércio local, sempre que possível.

Evite usar descartáveis. E em situações em que não se pode aplicar, de preferência para os biodegradáveis;

Se possível, faça captação para utilizar a água da chuva e reúso da água em geral.

Sempre observe e conserte vazamentos;

Evite equipamentos em modo stand by, desligue-os sempre que possível.

 É realmente praticar aquelas dicas que lemos nas plaquinhas espalhadas por muitos lugares: Acendeu, apague; Jogue seu lixo no lugar correto; Feche a torneira e muitas outras. Estamos longe de sermos perfeitos, mas buscamos fazer a nossa parte, pois acreditamos que a sustentabilidade além de ajudar a natureza, torna qualquer negócio economicamente viável.


Se cada um fizer a sua parte conseguiremos reverter a situação atual do nosso Planeta.


Fonte pesquisa: Sebrae


Aqui vão 5 dicas muito importantes para lhe ajudar a atingir este objetivo.  Um dos grandes problemas da atualidade é o excesso de produção de resíduos sólidos pelas diversas atividades humanas, além da destinação e tratamento inadequados destes resíduos, o que causa imensos impactos ambientais e socioeconômicos em todo o mundo. Os resíduos sólidos são compostos de matéria orgânica biodegradável no curto prazo (como restos de alimentos, papel, madeira e tecidos), matéria orgânica não biodegradável no curto prazo (plásticos) e matéria inorgânica (como vidros e metais).  Primeiramente, só para se ter uma ideia do tamanho do problema, estima-se que cada habitante brasileiro produziu 340 kg de resíduos sólidos em 2016. Para piorar, boa parte destes resíduos não é destinada e tratada em locais adequados, como usinas de compostagem ou reciclagem, indo parar em lixões. Dentro deste contexto, cada pessoa e cada residência, ao gerar resíduos em seu dia a dia, contribui com impactos negativos no meio ambiente e na sociedade. Por outro lado, mudanças no comportamento de consumo e no tratamento e destinação dos resíduos sólidos residenciais podem ajudar a reduzir imensamente seus impactos.

Sendo assim, aqui neste post trazemos 5 dicas Lixo Zero que podem ajudar cada pessoa a adotar pequenas mudanças em seu comportamento de consumo. Estas mudanças certamente trarão grandes contribuições para a redução e correta destinação e tratamento dos resíduos sólidos gerados em seu domicílio. São elas:

1. Compostagem dos resíduos orgânicos produzidos em sua cozinha e no seu quintal.

Resíduos orgânicos, como restos de alimentos e partes de plantas presentes em nossos quintais, compreendem cerca de metade dos resíduos sólidos produzidos nas cidades. Portanto, para nos aproximarmos de termos uma casa Lixo Zero, é fundamental começar com a redução na produção e com a correta destinação destes resíduos. O primeiro passo é reduzir ao máximo o desperdício de alimentos em sua casa, e assim produzir menos resíduos orgânicos. Posteriormente, é necessário coletar os restos de alimentos e o material orgânico varrido em seu quintal através de baldes separados dos resíduos recicláveis. Depois, você pode encaminhar os resíduos orgânicos para usinas e centrais de compostagem de sua cidade ou mesmo tratá-los em sua própria casa. Você pode construir sua própria composteira doméstica ou mesmo adquirir um modelo dentre os vários que existem no mercado. Uma outra opção é coletar os restos de alimentos em baldes bem lacrados produzindo a “lavagem”. Assim, você pode doar semanalmente para pequenos criadores de animais, principalmente de porcos.

Estas medidas farão com que você recicle a maior parte dos resíduos orgânicos produzidos em sua casa, enviando menos destes materiais para aterros e lixões. Além de também reduzir a quantidade de sacos plásticos que seriam usados para acondicionar estes resíduos.



2. Usar sacolas retornáveis e caixas duráveis para fazer suas compras.

O que acha de fazer compras Lixo Zero? Quando for ao supermercado, quitanda ou feira, leve sacolas ecológicas reutilizáveis para colocar suas compras, usando tanto sacolas grandes quanto pequenas. Elas são feitas de materiais resistentes (tecidos de vários tipos, PET reciclado, TNT, entre outros) e podem ser usadas por anos, substituindo, portanto, centenas ou milhares de sacos plásticos ao longo de sua vida útil. As sacolinhas ecológicas pequenas podem ser usadas para colocar as frutas, legumes e outros produtos de forma individual e organizada, enquanto as sacolas ecológicas grandes são usadas para acondicionar todas as sacolinhas pequenas. Hoje existem no mercado muitas opções de sacolas ecológicas para compras, e além disso, você mesmo pode fabricar algumas delas em casa, costurando tecidos e outros materiais. Outra opção é usar caixas de plástico ou papelão que você já tenha em casa para acondicionar suas compras.



3. Evite comprar produtos que venham excessivamente ou mesmo desnecessariamente embrulhados.

Porquê comprar uma abobrinha que venha em cima de uma bandeja de isopor e coberta por um filme plástico? Ou um pedaço de bolo guardado em uma caixinha de papel que vai dentro de uma sacola plástica? Existem muitos produtos nos mercados que estão excessivamente e mesmo desnecessariamente embrulhados com plástico, isopor e papel.

Evite comprar estes produtos e os substituam por outros que não abusem tanto das embalagens. Assim, você levará menos resíduos para serem descartados no lixo de sua casa e certamente ajudará a dar um recado para o supermercado de que o excesso de embalagens deve ser evitado. Prefira sempre produtos e estabelecimentos que estejam alinhados com as práticas Lixo Zero de redução de resíduos.



4. Reutilizar embalagens de vidro, metais e plásticos, e otimizar o uso de sacos de lixo

Reutilizar e otimizar o uso das embalagens é uma forma inteligente e prática de reduzir a produção de resíduos em sua casa e até mesmo de poupar dinheiro. Após o consumo dos produtos, muitas embalagens que os guardavam podem ser reaproveitadas para o mesmo fim ou mesmo serem utilizadas para outras funções. Por exemplo, muitos de nós já nos acostumamos a fazer um pouco disso ao usar em nossas casas os copos de vidro que embalavam antes o extrato de tomate. O mesmo pode ser feito para qualquer outro tipo de embalagem, bastando usar a criatividade para reaproveitá-las o maior tempo possível no seu jardim, horta ou como algum tipo de utensílio doméstico. Os sacos de lixo também podem ser utilizados de forma mais eficiente. Os resíduos recicláveis, por exemplo, após serem bem lavados e secos, podem ser acumulados em um saco de lixo ao longo de uma semana, sendo descartados apenas quando o saco estiver lotado.

Esta pequena atitude Lixo Zero também deve ser adotada para as folhas varridas no quintal. Ao invés de descartar sacos de lixo com poucas folhas 3 vezes por semana, prefira descartar os sacos sempre cheios 1 única vez na semana. Além de produzir menos lixo plástico, você poderá economizar dinheiro na compra de novos sacos.



5. Usar sacos de lixo de papel e de bioplásticos biodegradáveis e compostáveis.

Sempre que possível, seja Lixo Zero e substitua os sacos de plástico convencionais nos cestos de sua casa por aqueles feitos de bioplástico biodegradável e compostável, já disponíveis no mercado. Eles podem ir junto do material orgânico para as usinas de compostagem, e no caso de pararem em aterros sanitários e lixões, eles irão se decompor muito mais rapidamente, além de não serem tóxicos para o solo.  Caso não encontre estes sacos de bioplástico para comprar, uma opção é usar sacos de papel pardo para acondicionar o lixo, pelo menos nas situações em que os resíduos não sejam muito úmidos a ponto de rasgarem os sacos. Os sacos de papel também são compostáveis e, portanto, agridem menos o meio ambiente do que os sacos plásticos feitos de petróleo.



Quanto mais pessoas adotarem estas práticas Lixo Zero no seu dia a dia, melhor para o meio ambiente, para a economia e certamente para a sociedade. Esperamos que tenham gostado das dicas! 

Tem outras dicas para tornar uma casa Lixo Zero? Mande um e-mail contando para a gente.

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes – ABRASEL e a Revista Prazeres da Mesa realizaram neste ano, pela primeira vez, o Congresso Abrasel de maneira virtual.  O tema foi Retomada – o Futuro da Alimentação Fora do Lar.  No congresso houve três diferentes ambientes, o Fórum, a Mesa ao Vivo e a Feira Virtual. Nós da eeCoo estivemos presentes e participamos realizando visitas na Feira Virtual e assistimos aos debates realizados no Fórum. Os vários painéis trouxeram discussões para instigar, fazer refletir e permitir projetar aos que lidam com empreendimentos ligados ao setor de alimentação fora do lar. 

Percebemos que havia material tanto para bares e restaurantes como para nós, que somos fornecedores. Houve inclusive diversos debatedores dos setores correlatos.

No fórum, no primeiro dia foram abordados temas sobre a importância da colaboração, novos comportamentos, novas oportunidades, diversificação e reestruturação para retomada.  Os participantes trouxeram também debates sobre diferentes casos de sucesso, como enfrentaram crises e problemas, debateram como será a volta de todos os estabelecimentos do setor sendo abertos novamente, como apoiar preparações para diversificação e reestruturação para uma retomada.